Saturday, May 09, 2009

Pilots and helmets

The most dangerous part of the pilot’s job (from the personal point of view) is the transfer between pilot boat/ship/pilot boat as the previous post clearly shows. The pilot’s personal protective equipment is therefore of paramount importance on the prevention of serious injury should an accident occur. For several years this equipment has been limited to the wearing of automatically inflatable lifejackets or “Seasafe” jackets which includes all the SOLAS requirements for lifejackets as well as an harness, strobe light and even a personal locator beacon (depending on model). Safety boots and non-slippery gloves are usually also standard equipment. All this equipment becomes quite useless should a pilot suffer a more than probable head injury on a falling accident. 
    

As part of our Safety Management System there is a constant formal safety assessment and an ongoing review of critical pilotage procedures. Due to previous incidents with pilots while transferring to or from the ship, the risk of head injury was identified and corrective action taken. Appropriate safety helmets (light, comfortable and with neutral buoyancy, which minimizes the risk of neck and spine injury for water impact) were ordered, also taking into account previous experiences on this subject on some US and North European ports.
        
        
Since the beginning of this year pilots at Viana do Castelo have been using these safety helmets on a regular basis as a complement to the other standard protective equipment.
         
Also taken into consideration was an eye opener text “Why Do Pilots Not Wear Helmets”, posted by Capt. W. A. Worth on Professional Mariner, March 2008:

“The recent spate of accidents, have shown that often pilots are rendered unconscious when they fall from a pilot ladder and are unable to take action to save themselves.  Working on a pilot boat puts both the pilot and the deckhand often 30 feet below the deck level of the ship that they are working, anything dropped from the deck from shackle pins to the pilot ladder itself can cause serious head injury.
Here on the Columbia River Bar, helmets have become standard safety gear.  From the beginning of the helicopter transfer system, they were mandated by the helicopter companies.  Simple kayak helmets offered the protection needed for being hoisted from the helicopter.  They have become routine, and are now used in both helicopter and boat transfers.  There have been several incidents in which a head injury has been prevented.
 
The big question is Why Not?  This is the easiest and cheapest way to reduce injury, and only vanity and tradition seem to be reasons to not wear some type of head protection.  All of the float coats, epirb's, and waterproof radios, fail if the pilot is unable to help themselves duecto a head injury.
 
Buying an off the shelf Kayak helmet, covering it with reflective tape, and even attaching a small light, is a simple way to increase the survivability of pilots.”
          
 

11 comments:

KennebecCaptain said...

Good post! Seeing this from someone who has to cope with this situation has much more weight then 100 safety memos

Andre said...

For sure, the XXIst century pilot will wear one, the only question is : now? in 10 years? or in 20 years?

let's have a look at :
www.gathsports.com

Jose Saraiva said...

I there, "safety first" is so important this days as it was in the last century and will be in the next century too, the important is changing mentalities and start to do the things on a safe manner, procedures that some years ago were taken as rdicule are now the standard, please boys start to think positively and acept the good ideas, go ahead, always having in mind the good safety procedures, in doubt or in an unsafe siuation don´t do it, an sart to use the helmet, maybe you never need it but just in case, use it.
Keep going Daniel, someone mus do something.

carlos said...

Talvez, não fosse pior que quando o Piloto embarca/desembarca a MPP do navio estivesse parada e logo que o dito se encontre na escada, para embarque, a piloteira se afastasse dessa área, bem como no desembarque a lancha só se aproximar da escada quando o piloto já estiver a uma altura que não o ponha em risco no caso de queda ...assim talvez se evitassem "capacetes de canoagem", bem mas isto sou eu a pensar alto...

Malheiro do Vale said...

Caro "carlos",

Parar a MPP nem sempre é possível para não perder o governo do navio em áreas restritas, além de que por vezes é necessário manobrar para fazer uma "sota" à lancha ou para compensar o abatimento devido ao mar, correntes ou vento.

O facto de a piloteira se afastar depois de o piloto estar na escada não evita que a mesma se parta e o piloto caia, podendo bater com a cabeça no costado do navio, ou levar com a escada em cima.

A "altura que não o ponha em risco no caso de queda" é uma questão que ficaremos a aguardar que nos elucide quantos metros considera ser adequado para uma queda...

Nesse seu mundo ideal descrito no comentário os pilotos só embarcavam com boas condições de mar e tempo.

Finalmente não compreendo porque considera os capacetes a evitar, talvez desconheça que este é um equipamento comum e de uso obrigatório em todas as áreas do shipping.

Cumprimentos

carlos said...

Caro M.do Vale
Não me queira dar lições de pilotagem,ainda o Senhor não era nascido e já havia pilotos...mas de volta à questão dos capacetes,gostava que olhasse, com atenção, para a terceira foto, em que o piloto embarca com o casaco "seasafe", entende o amigo que para aquela altura de escada se justifica capacete?
Parar a MPP deveria ser sempre possivel, desde que o embarque/desembarque tenha lugar em local onde o navio não corra riscos demasiadamente grandes,além de que também existem rebocadores pa ra dar uma ajuda.
Não é verdade que estes capacetes sejam obrigatórios em todo o mundo do Shipping,como sabe, os obrigatórios não são estes mas outros que servem para protecção da cabeça nos trabalhos a bordo e em terra como em qualquer parque industrial,não confunda!!!
Cumprimentos

Malheiro do Vale said...

Caro "carlos",

Aqui não se dão lições a ninguém e muito menos sobre pilotagem pois este não é um blog sobre pilotagem.

Antes de eu nascer de facto já havia pilotos. Aliás antes até de qualquer visitante deste blog nascer ou até antes de Cristo nascer.

A foto que refere é de um piloto a embarcar num navio que está atracado para efectuar a manobra de saída e posteriormente desembarcar no mar em condições adversas, algo que claramente não sabe o que é.

Continua igualmente sem nos esclarecer o que é para si uma altura boa para se cair de uma escada...

A frase "Parar a MPP deveria ser sempre possivel, desde que o embarque/desembarque tenha lugar em local onde o navio não corra riscos demasiadamente grandes,além de que também existem rebocadores pa ra dar uma ajuda" é reveladora da sua ignorância sobre o que são os procedimentos de embarque e desembarque no mar e nem sequer é merecedora de comentário.

Não afirmei que estes capacetes eram usados no mundo do shipping, leia melhor o meu comentário.

Os comentários favoráveis que temos recebido de diversos profissionais da indúsria são para nós indicação suficiente que este é o rumo certo. Aliás nem sequer estamos a inovar mas sim a copiar as melhores práticas de países como os Estados Unidos ou Holanda onde a cultura de segurança é levada a sério. Cultura de segurança essa que passa em primeiro lugar pela mudança das mentalidades.

Velhos do Restelo existirão sempre mas as naus continuarão a partir para a Índia...

Passe bem

Jimh. said...

It never occurred to me the issues of changing vessels...makes sense and I should have realized it!

pantoja said...

Congratulations to everybody worry about harbour pilot personal protective equipment and procedures during pilotboat/ship/pilotboat operation. Here in Rio Grande (southern brazilian port) we are very serious about this issue since many years ago. Take a look on www.youtube.com.br rio grande pilots MONTE CERVANTES.

PANTOJA/RGPILOTS

carlos said...

No youtube o Sr.Pantoja ainda apresenta um modelo de capacete pior do que o do Sr.Malheiro do Vale ou seja Capacete de canoagem versus Capacete de construção civil.Então e onde ficou o Floater? é que parece-me que caneleiras, joelheiras e cotoveleiras são mais apropriadas para a prática de skate, ou não será assim?
Bem também não sei se não terá o para-quedas na mochila que transporta.Cumprimentos

Malheiro do Vale said...

Sr. Carlos,

Já não há pachorra...